Posts Tagged ‘Constatti’

Constatti – Curso Inédito no Rio de Janeiro

17/07/2009

folder curso marcos

Anúncios

As Sete Maiores Mentiras do Currículo.

17/07/2009

O Apreendedor Indica:

Gente, gostei muito do artigo publicado pela Constatti, e resolvi postar aqui. É realmente incrível a capacidade que canditados tenham e estejam dispostos a mentir, disponibilizando informaçõe falsas em seus currículos na esperança de conquistar uma vaga. É  muito interessante  e útil o artigo, porque ele além de previnir as empresas também desencoraja os “engraçadinhos de plantão” deixando claro que existem formas simples e eficazes dos empregadores constatarem tais mentiras. É muito bom ver uma empresa como esta, que conta com uma grande equipe e capacidade técnica e que tem o cuidado e a preocupação de levar informação de qualidade ao público.Veja:

As Sete Maiores Mentiras do Currículo.

 mentiras-no-curriculumTemos procurado alertar as empresas para se ter o cuidado quando da contratação de novos funcionários. 

Muitas empresas, sem saber, estão contratando pessoas desonestas as quais ocuparão cargos com acesso privilegiado dentro da empresa. Elas não pouparão esforços de usar do cargo para ter benefício pessoal, e sem o menor escrúpulo do prejuízo que possa causar a empresa.

Essas pessoas usam de má fé, desde o momento da apresentação de seus currículos, inventando toda uma estória sobre seu perfil profissional para conseguir o emprego.

A Revista Época publicou um artigo em 24/04/09 abordando o assunto. Destacamos abaixo o trecho que fala dessas mentiras mais comuns para que você fique alerta e tome precauções.

1. Idiomas
É a mentira mais popular. Trata-se daquele inglês “básico” que no currículo se torna “avançado”. É também a mentira mais fácil de ser identificada. Ocorre principalmente em seleções de jovens profissionais que não esperam uma avaliação rigorosa de seu domínio de idioma estrangeiro. Um simples teste ou uma conversa com o recrutador são suficientes para desmascarar o monoglota.

2. Qualificação
Inventar uma especialização técnica ou transformar um curso rápido em pós-graduação também são manobras muito comuns – e fatais – nos processos de seleção. Além da questão moral, se a fraude é descoberta, leva à dúvida sobre todas as competências que o candidato afirma ter. Essas mentiras são normalmente descobertas na entrevista, quando o recrutador pede detalhes dos cursos realizados – nome dos professores, das disciplinas etc. Se o candidato conseguir manter a farsa, ele ainda pode ser desmascarado quando checadores ligam para a universidade para conferir as informações. Algumas empresas são mais diretas: exigem o certificado dos cursos.

3. Cargos e funções
Muitos candidatos mentem sobre cargos em empregos anteriores para demonstrar experiência ou pleitear salário mais alto. Assim, um estagiário pode virar assistente, um supervisor vira gerente, e por aí vai. São dados de checagem relativamente fácil quando a entrevista é bem feita: o candidato costuma escorregar nos detalhes sobre seu passado profissional.

4. Participação em projetos
Esse tipo de mentira, relacionada a conquistas e projetos implementados em empregos anteriores, exige um esforço maior do recrutador. Por causa do passar do tempo e da rotatividade das empresas, muitas vezes é difícil entrar em contato com antigos colegas do projeto mencionado. Segundo Max Gehringer, esse problema começou a surgir nos anos 1980, quando passaram a circular currículos em primeira pessoa. “O currículo com as palavras ‘liderei’ ou ‘coordenei’ é complicado porque são ações difíceis de ser mensuradas e com resultados muitas vezes subjetivos”, diz Max. A estratégia dos recrutadores para detectar as invencionices é levar a entrevista a um nível de detalhe extremo, para capturar contradições.

5. Motivo de desligamento
Se percebida, a mentira sobre os motivos da saída de empregos anteriores desperta a impressão de que o candidato quer esconder algo. Demissões nunca são bem vistas. Mas hoje, com a rotatividade tão alta, deixaram de ser um estigma. Mesmo assim, devem ser explicadas. Se o desligamento foi espinhoso, o melhor é demonstrar maturidade, assumir eventuais maus passos e mostrar que o episódio serviu de lição. Jogar a culpa no ex-chefe é tentador, mas o efeito é quase o mesmo de um pedido para desistir do processo de seleção.

6. Datas de entrada e saída de empregos
Esticar em alguns meses a permanência no emprego anterior pode ser até aceito pelo selecionador, para quem tem vergonha de dizer que estava desempregado. “Mas a manipulação de datas é intolerável quando ela tenta esconder um padrão de permanências curtas nos empregos”, afirma Vander Giovani, da Kroll. Uma ou duas passagens curtas podem ser devidas a dificuldades de adaptação, diz Giovani. Mais que isso é sinal de instabilidade e falta de habilidades sociais. “Há aqueles que nem sequer colocam experiências curtas para não destacar essa instabilidade”, afirma Carlos Eduardo Dias, da Asap. “Essa omissão é imperdoável.” E facilmente constatada por checadores, ao ligar para empresas ou observar a carteira de trabalho.

7. Endereço
Muitos candidatos mentem em relação ao local de moradia por três motivos: imaginam que morar perto pode facilitar a contratação; acreditam que morar em um bairro mais pobre prejudique suas chances; ou tentam obter uma verba maior de vale-transporte. Nos dois primeiros casos, é uma mentira menos ofensiva, mas também não vale a pena. Quando for descoberta – pela checagem do comprovante de residência ou pela visita de um colega, ela vai despertar desconfiança do empregador.

Leia mais aqui.